terça-feira, 26 de julho de 2011

INDECENTES da Ponte Manaus-Iranduba

O que Pessoas mal-intencionadas querem em relação a Ponte Manaus-Iranduba.

Li essa frase em um blog do Holanda:

René Levy ressaltou que será mantida a atual política de governo e que não há previsão para cobrança de pedágio. “Não foi projetada praça de pedágio”, declarou o secretário, enquanto mostrava a obra que está prestes a ser inaugurada.

Nossos representantes não nos representam. Não representam o povo e sim grupo ricos. Nesta frase do secretário do governo Omar: “Não foi projetada praça de pedágio”.

Esqueceu que a ponte é superfaturada, custou além do preço inicial do projeto. Quem pagou a conta é o povo. Sem dizer um ‘’.

Fere a lei da improbidade 8.429/92 que presume-se ato de improbidade em duas hipóteses: I) venda de bem público abaixo do valor de mercado; e II) compra de bens acima do valor de mercado (superfaturamento). O instrumento para o controle da moralidade é a Ação Popular – art. 5º, LXXIII.

Ainda nem se inaugurou a ponte construída com dinheiro público, já pensam em cobrar pedágio. É o mesmo que pagar duas vezes pelo mesmo produto.

Já que ninguém protestou sobre o preço absurdo que por si próprio se configuraria em crime. Eles querem é lascar mais o povão, burro e imóvel.

Acordem! Povo unido é povo vencedor. Lembre-se que somos o detentor do poder político. A constituição no Art. 1º, Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Um comentário:

Anônimo disse...

Impressionante! Nos pagamos a construção dessa ponte e queremos passar como se estivesse passando por uma via. Nada de custo de manutenção, quando a ponte estiver esburacada pagamos para vedar, quando estiver escura pagamos para trocar as lâmpadas.
Nada de fazer dinheiro fácil e que o povo não terá controle algum. Será que realmente irá ser bem aplicado, ou será lavado.